Crise? É hora de procurar uma agência de comunicação!

Autor: José Carlos Mattos - Publicado originalmente no LinkedIn

Crise! Cortes! Mais crise! Mais cortes! Essa é dinâmica que irá prevalecer nos próximos meses em muitas empresas, não importa o seu tamanho.  Salvo as que estiverem em posições estratégicas que permitam lucrar por um período com a crise (a longo prazo todas as empresas sofrem pela simples razão que uma economia menor significa menos dinheiro no mercado), nos outros escritórios as palavras crise e corte estarão na ordem do dia.

Na administração dos cortes é que está o segredo que pode levar as firmas a se saírem melhor ou pior neste momento.  Alguns pontos são óbvios: reformar o banheiro da diretoria, pode esperar a crise amainar, vamos supor que dificilmente ele não está em perfeitas condições de uso.  O replantio do jardim da fábrica conforme projeto de um paisagista preocupado em proteger espécimes nativos da área, pode aguardar um pouquinho, não? Outros pontos, são mais controversos. Cortar a melhoria no plano saúde prometida para este ano, tem que ser visto com calma, pode valer a pena mantê-la.  Lançar o novo produto já em fase final de produção? Essa é uma decisão dura, depende de fatores que vão dos custos internos a disposição do mercado em conhecer novos produtos nesta hora. Enfim, são muitos os pontos a serem levados em conta quando se quer cortar com planejamento e traumatizando o menos possível a empresa e seus colaboradores.

Puxando o assunto para a nossa área, é comum o setor de comunicação  (interno e agências) ser uma das primeiras vítimas da tesoura.  O próprio desânimo trazido pela crise é causa desses cortes no setor, a gente ouve muito: a empresa vai mal, o país não está bem, a gente não tem o que anunciar.  E tome corte.

Já foi o tempo que a única função de uma agência de RP era divulgar os serviços ou produtos do cliente.  Hoje, as agências de comunicação não são apenas alto-falantes das empresas, elas também podem ser os ouvidos que filtram as informações que o gestor necessita para uma tomada de decisão criteriosa.

Há à disposição dos clientes nas agências de RP uma enorme quantidade de serviços dedicados a administração de crise e que nessa hora de crise nacional são de grande utilidade para as empresas.

Serviços de Relações Governamentais e Administração de Crise têm  ferramentas que permitem a uma empresa saber em detalhes o que vai ocorrer em seu setor.  Se haverá aumentos de impostos sobre seus serviços, produtos, ou que vão afetar a sua cadeia de fornecedores.  Mudança na regulação de seus serviços, ou nos serviços de seus clientes, que exija atualizar a sua formação de preço, conhecer quem são as novas lideranças, quem são e o que pensam os influenciadores dos jornais, do governo, dos formadores de opinião e tomadores de decisão.  Ter uma visão analítica do “tabuleiro” em que serão tomadas as decisões capazes de modificar o encaminhamento dos negócios.

Estes serviços muitas vezes são percebidos como privilégio das grandes empresas.  E eis aí uma boa notícia:  não são.  Relatórios especializados, com uma profundidade que a imprensa não pode entregar, e que deixam o leitor saber tendências, desmascaram blefes, apontam as melhores possibilidades, são acessíveis à maioria das empresas médias, mesmo as que não tem interesse em um serviço mais completo de relações governamentais para poderem expor seus pontos de vista aos legisladores, por exemplo.

O fato é que nos próximos meses o governo já tão presente em nossos negócios pelos impostos que cobra e pela excessiva regulação que impõe, vai ficar mais presente ainda.

É hora de as empresas abrirem seus olhos e ouvidos para entenderem o que a administração pública pensa fazer, o que as agências reguladoras pensam fazer, que leis os congressistas vão propor, aprovar e vetar, o que os sindicatos estão preparando, como estão se mexendo as associações patronais e a imprensa a quem – e porque –  está escutando, publicando, prestigiando ou atacando.

É claro que somente empresas muito grandes podem dispor de funcionários dedicados integralmente à esta função.  Mas é uma boa ideia saber o que a sua agência de comunicação pode oferecer para você nesta área.  Você vai se surpreender com os serviços de análise de informação que existem no mercado.  E poderá planejar os cortes para sair da crise com mais tranquilidade e decisões tomadas com base em boas informações.

Assim, se você está prestes a chamar a  sua agência para falar de corte de verba, veja que em vez de simplesmente cortar, você pode redirecionar a sua verba de comunicação para serviços mais adequados ao curto prazo da companhia.

E, não se esqueça, continuam as necessidades de manter o seu pessoal motivado, reter os melhores talentos, manter sua marca viva e desligada ao máximo da crise.

Leia também:

Você faz mais sucesso quando escuta ou quando fala?

Você sabe que catedral está construindo?

Quando é você quem deve salvar alguém em Marte